Área do Cliente

Utilize este formulário para acessar a ferramenta
cadastrar/editar produtos e informações da empresa

Para acessar sua conta, utilize uma das opções ao lado.

Caso ainda não tenha uma conta em nosso site,
cadastre-se aqui ou entre em contato conosco.

Login - Administrador

Digite o usuário principal
O usuário automáticamente é autenticado junto a ACIPI - Piracicaba.
Digite a senha cadastrada na ferramenta
A Senha é fornecida por email pela ACIPI - Piracicaba.

Sobre a ressurreição da CPMF Piracicaba - SP -26/10/2015

Por Paulo Roberto Checoli

 

O clima não está dos mais agradáveis. As nuvens da desaceleração nublaram o cenário político-econômico do Brasil, trazendo também uma maré de desconfiança para o país. A gestão das contas públicas pelo governo federal - que se vê envolto em denúncias e escândalos de corrupção - resultou num rombo para os cofres públicos do país.

 

A luz vermelha se acendeu e uma série de medidas tem sido anunciada, com a finalidade de aplacar os estragos provocados no orçamento do país. Uma das grandes preocupações se encontra no sistema previdenciário. Estimativas dão conta de que o déficit da Previdência alcance os R$ 200 bilhões, em 2016.

 

As contas da Previdência, que não fecham há um bom tempo, têm sido um peso grande nos gastos da União. Para remediar a situação, o governo resolveu dividir essa “fatura” com a sociedade, apresentando uma proposta de ajustes fiscais, na qual figura a criação de uma contribuição provisória nos moldes da famigerada CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira), extinta em 2007.

 

Batizado de CP-Prev (Contribuição Provisória para a Previdência), o que pode vir a ser um novo imposto está em tramitação no Congresso. A proposição encaminhada prevê uma cobrança sobre todas as transações bancárias de pessoas físicas e jurídicas. A proposta é de uma contribuição que dure quatro anos, com alíquota de 0,2% - que geraria uma arrecadação de R$ 32 bilhões no próximo ano, segundo cálculos divulgados pelo governo em setembro.

 

Superficialmente, o percentual em si parece ser “inofensivo”. Mas, se olharmos bem para o problema, poderemos ver os efeitos nocivos dessa nova taxa. Isso porque a “nova CPMF” possui um efeito cascata. Ou seja, cada vez que o dinheiro “muda de mão”, há a cobrança. Na ponta do lápis: fornecedor paga, comerciante paga, consumidor paga.

 

Além disso, o impacto de um novo tributo, com incidência sobre as movimentações financeiras, tende a segurar o brasileiro na hora de realizar compras e transferências. Essa redução da circulação do dinheiro pode prejudicar ainda mais a economia do país, já em retração.

 

O governo pode até achar que terá um ganho com a cobrança do novo imposto, pois ao curto prazo a arrecadação deve aumentar. No entanto, a medida não resolve o problema ao longo prazo. E nós, brasileiros, ficamos com a sensação de que as lideranças do país lançam mão apenas de medidas paliativas, que podem apenas atenuar o problema, sem resolvê-lo propriamente. Em curtas palavras: elas se valem do “jeitinho brasileiro” apenas para “estancar a sangria”.

 

Nossa entidade, que há 82 anos atua na defesa dos interesses, não apenas do empresariado, mas da comunidade em que está inserida, é veementemente contra a criação de novos tributos. Convivemos com uma carga tributária extremamente pesada, que corrói os bolsos, tanto de quem gera emprego para o país, quanto de quem é parte da massa trabalhadora brasileira. Há anos, temos defendido a necessidade de eficiência na gestão pública, a diminuição de gastos públicos e, mais especialmente, de uma reforma tributária no país. A sociedade brasileira quer uma redução na carga tributária e melhora efetiva na qualidade dos serviços públicos. Esses clamores fazem coro com a luta com a qual estamos comprometidos em nossa associação.

 

Na semana que passou, as declarações do deputado federal Ricardo Barros (PP-PR) ao Valor Econômico, na sexta-feira, dia 16, parecem demonstrar que a proposta da CP-Prev, em trâmite, enfrenta uma resistência entre os parlamentares. Ao jornal, Barros, que é relator do Orçamento de 2016, disse que o novo imposto: “é uma fonte incerta”. Isso revigora as nossas esperanças de que a “ressurreição da CPMF” perca a sua força. Mas, num ambiente político instável, como esse em que vivemos no Brasil, tudo pode acontecer. Temos que estar atentos. Temos que acompanhar o que os nossos representantes têm realizado com o que se arrecada no país, que sai do nosso bolso. Mais importante: não podemos nos calar e deixar de manifestar nossa indignação.

 

Paulo Roberto Checoli é presidente da Acipi (Associação Comercial e Industrial de Piracicaba), eleito para a gestão do triênio 2015-2018.

[27/04/2017] - ICV-P: variação positiva de 2,01% em março

[26/04/2017] - Sobre manifestações do dia 28 de abril

[25/04/2017] - Comércio de Piracicaba não funciona no feriado de 1º de maio

[24/04/2017] - Prefeitura e ACIPI abrem vagas para cursos gratuitos

[17/04/2017] - ACIPI participa de encontro com Geraldo Alckmin na Facesp

[13/04/2017] - ACIPI sedia reunião com Ministério Público e entidades civis

[05/04/2017] - VRE-2: desburocratização na abertura de empresas

[31/03/2017] - VRE-2 será apresentado na terça-feira, 4 de abril

[30/03/2017] - Dia do Marco da Paz

[24/03/2017] - Jucesp participa do Fórum em Piracicaba

Política da Qualidade
“A ACIPI – Associação Comercial e Industrial de Piracicaba, compromete-se em:
- promover o fortalecimento do comércio, indústria e serviços;
- representar os interesses da classe e das partes interessadas;
- atingir os objetivos da entidade, com base no direcionamento estratégico;
- buscar a satisfação e o desenvolvimento dos associados, fornecendo conhecimento e tecnologia;
- melhorar continuamente nossos produtos e serviços, por meio do aperfeiçoamento dos colaboradores, processos e do sistema de gestão da qualidade”.

Escopo da Certificação
Representação dos associados, incentivo ao desenvolvimento na prestação de serviços, por meio da realização de cursos, palestras, treinamentos, gestão de crédito, locação de salas e auditório, convênios na área de saúde, educação e financeira, assessoria empresarial, programa de benefícios e eventos empresariais de interesse coletivo dos associados.

http://www.sgs.com/certifiedclients
desenvolvido pela TBrWeb